CIÊNCIA E CULTURA NO SÉCULO XIX

CIÊNCIA

A industrialização que atingiu a Europa no Século XIX veio acompanhada da urbanização, do saneamento e do desenvolvimento da medicina e das ciências em geral. Os principais destaques foram:

- A invenção da fotografia por Joseph Nicéphore Nièpce e Louis- Jacques Mandé Daguerre. 

- A invenção do cinema pelos irmãos Lumière (1895).

- A invenção do automóvel. 

- A descoberta da vacina pelo francês Louis Pasteur.

- As pesquisas genéticas por Gregory Mendel.

- A criação do Positivismo por Auguste Comte, com sua obsessão pelo conhecimento científico, cujo lema era “o amor por princípio, a ordem por base e o progresso por fim”. Segundo Comte, havia três etapas na evolução natural dos Estados: o Teológico (escravismo), o Metafísico (feudalismo) e o Positivo (capitalismo).

- O estudo da Sociologia, baseado nos padrões investigativos das ciências naturais, por Èmile Durkheim.

- A criação da Psicanálise pelo médico judeu-austríaco Sigmund Freud.

- A Teoria da Evolução das Espécies, elaborada por Charles Darwin.

LITERATURA

 Merecem destaque as seguintes correntes literárias:

- O Romantismo, com seu sentimentalismo, sua subjetividade, sua idealização e seu nacionalismo. Apesar de ter influência da teoria do “bom selvagem” do iluminista Jean-Jacques Rousseau, fazia críticas ao racionalismo exagerado do Iluminismo. Os principais representantes foram:

Goethe (O Sofrimento do Jovem Werther, Fausto), Lord Byron, Charles Baudelaire (As Flores do Mal), Victor Hugo (Os Miseráveis), Stendhal (O Vermelho e o Negro).

- O Realismo-Naturalismo, marcado pela objetividade, pela crença na razão, pelo materialismo, pelo cientificismo, pelo determinismo e pelos temas patológicos. Os principais autores foram: Gustave Flaubert (Madame Bovary), Honoré de Balzac (Cyrano de Bergerac, Pai Goirot), Eça de Queiroz (O Primo Basílio, O Crime do Padre Amaro), Émile Zola (Germinal, Nana, a Taverna).

OBS. Foram importantíssimos o Psicologismo de Tolstoi (Guerra e Paz, Ana Karenina) e Dostoievski (Crime e Castigo, O Idiota, Os Irmãos Karamazov) e o Decadentismo de Oscar Wilde (O Marido Perfeito, O Retrato de Dorian Gray) Mallarmé e Rimbaud (Uma Estação no Inferno).

TEATRO

Com o realismo, problemas do cotidiano ocupam os palcos. O herói romântico é substituído por personagens do dia-a-dia e a linguagem torna-se coloquial. O primeiro grande dramaturgo realista é o francês Alexandre Dumas Filho(1824-1895), autor da primeira peça realista, A Dama das Camélias(1852), que trata da prostituição e que foi encenada mais de três mil vezes por Sarah Bernhardt, a mais famosa atriz da história do teatro. Também merece destaque  o norueguês Henrik Ibsen (1828-1906), cuja obra mais conhecida é Casa de Bonecas, que trata da situação social da mulher. São importantes também o dramaturgo e escritor russo Maximo Gorki (1868-1936), autor de Ralé e Os Pequenos Burgueses. 

PINTURA

- O Neoclassicismo: Busca um ideal sublime e, por isso, é o romantismo na pintura. Os grandes destaques foram: Francisco Goya (Saturno Devorando os Filhos), Eugene Delacroix (A Liberdade Guiando o Povo).

Realismo: O Realismo foi um movimento artístico que se manifestou na segunda metade do século XIX e caracterizou-se pela intenção de uma abordagem objetiva da realidade e pelo interesse por temas sociais. O Realismo vem competir com a fotografia, que nessa época começava a se popularizar. O realismo representou uma reação ao subjetivismo do romantismo. Destacam-se Gustave Coubert, Edouard Manet, Honoré Daumier, Jean-François Millet, Théodore Rousseau, Jules Breton, Jean-Baptiste Camile Corot.

- O Impressionismo: Não se interessava em apresentar um retrato fiel da realidade, mas impressões livres dela, utilizando as pinceladas soltas para destacar a luz e o movimento. Destacam-se: Claude Monet (Impressão Nascer do Sol), Paul Cèzanne (As Banhistas), Vincent van Gogh (Os Comedores de Batata), Auguste Renoir (As Grandes Banhistas), Paul Gauguin (Mulheres do Thaiti), Camile Pissaro (Noite em Montmatre), Edgar Degas (A Banheira), Alfred Sisley (Caminho).

- O Expressionismo: Surgiu para se opor ao Impressionismo e sua intenção é de recriar o mundo e não apenas de absorvê-lo da mesma forma que é visto. Suas obras apresentam o estado psicológico de uma sociedade que se considerava doente e apresenta denúncias sociais. Merecem destaque: Érico Heckel, Francisco Marc, Paul Klee, Modigliani (Nu Deitado), Edward Munch (O Grito).

- Fauvismo: O nome de se origina da palavra francesa “fauves” (feras) e representa a ideia de seguir os impulsos do instinto e as sensações primárias. Destacam-se: Henry Matisse (A Janela Aberta), Alexis Merodack-Jeanneau.

- A Art Nouveau: Foi um movimento estético burguês revolucionário, pois afronta a máquina, ao mesmo tempo em que enfatiza o propósito social do desenho, buscando integrar a arte á vida cotidiana. Seus principais representantes foram William Morris, Henry de Toulouse-Lautrec (Baile no Moulin Rouge), Pierre Bonnard (Prato de Maçãs em Cima da Mesa), Gustav Klimt (O Beijo), Antonio Gaudí (Igreja da Sagrada Família, A Casa Milá). 

MODERNISMO: Movimento vanguardista, que rompe com padrões rígidos e caminha para uma criação mais livre, surgida internacionalmente nas artes plásticas, no início do século XX. É uma reação às escolas artísticas do passado. Como resultado desenvolvem-se novos movimentos, entre eles o cubismo, o dadaísmo, e o surrealismo.

CUBISMO: Foi um movimento que, a partir do início do século XX, rompe com a perspectiva adotada pela arte ocidental desde o Renascimento. De todos os movimentos deste século, é o que tem influência mais ampla. Ao pintar, os artistas achatam os objetos, e com isso eliminam a ilusão de tridimensionalidade. Mostram, porém, várias faces da figura ao mesmo tempo. Retratam formas geométricas, como cubos e cilindros, que fazem parte da estrutura de figuras humanas e de outros objetos que pintam. Por isso o movimento ganha ironicamente o nome de cubismo. Seu grande representante foi o catalão Pablo Picasso.

DADAISMO: Foi um movimento intelectual e artístico que se caracterizou por uma negação às convenções, à lógica, à razão e às formas tradicionais de arte. Foi um movimento de espírito infantil, cujo próprio nome "dada" significa cavalinho em francês, e remete ao lúdico e ao infantil. Suas principais características foram a extravagância e o humor. Marcel Duchamp (1887-1968), pintor e escultor francês, foi o seu grande destaque.

SURREALISMO:Foi um movimento artístico que surgiu na França, nos anos 1920, fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas de Sigmund Freud, enfatiza o papel do inconsciente na atividade criativa. Defende que a arte deve libertar-se das exigências da lógica e expressar o inconsciente e os sonhos, livre do controle da razão e de preocupações estéticas ou morais. Rejeita os valores burgueses, como a pátria e a família. O principal teórico e líder do movimento é o poeta, escritor, crítico e psiquiatra francês André Breton, que em 1924 publica o primeiro Manifesto Surrealista. A palavra surrealismo havia sido criada em 1917 pelo poeta Guillaume Apollinaire. É adotada pelos surrealistas por refletir a ideia de algo além do realismo. O início do movimento se dá por volta de 1922. Humor, sonho e a contralógica são os recursos a ser utilizados para libertar o homem da existência utilitária. Entre os artistas ligados ao grupo, estão o escultor italiano Alberto Giacometti, os pintores espanhóis Salvador Dalí e Juan Miró e o belga René Magritte.

ESCULTURA: Destaca-se na escultura realista o francês Auguste Rodin, com sua ideia de fixação de um gesto humano. 

ARQUITETURA: O principal arquiteto realista foi Gustave Eiffel, cuja obra mais conhecida é a Torre de Paris.

OBS. O desenvolvimento artístico e científico que marcou o final do século XIX e o início do século XX é comumente chamado de Belle Époque.